Receita Federal em SP ultrapassa 100 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 desembaraçadas

O Órgão também liberou mais de 54 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) que chegaram ao País pelos aeroportos paulistas.

No último final de semana (04 e 05 de setembro), a Receita Federal atingiu uma importante marca relacionada ao combate à Covid-19. A Instituição ultrapassou os 100 milhões de doses de vacinas desembaraçadas apenas nos aeroportos do estado de São Paulo (Cumbica e Viracopos). Ao todo, até o dia 5 de setembro, foram desembaraçadas aproximadamente 103 milhões de doses de imunizantes. Além disso, já passaram pelos procedimentos de desembaraço aduaneiro cerca de 54,4 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) utilizado para a produção, em território brasileiro, de vacinas.

Desde o início da pandemia, a Receita Federal adota uma política de priorização e agilização dos procedimentos para liberação de vacinas, insumos e mercadorias utilizadas no enfrentamento à Covid-19.

Alfândega de Viracopos

No aeroporto de Viracopos, em Campinas, maior aeroporto de cargas do País, a Receita Federal desembaraçou cerca de 67,7 milhões de doses de vacinas e 6,4 mil litros de IFA.

Lá, a Receita Federal desenvolveu um procedimento pioneiro, chamado de desembaraço sobre nuvens, que foi aplicado pela primeira vez em 29 de abril. O procedimento permite a antecipação da conferência aduaneira e do desembaraço da carga, tornando o processo extremamente ágil. Os benefícios da rapidez proporcionados por esse novo sistema são visíveis nos números: antes o tempo de liberação de mercadorias era medido em dias; agora, é contado em minutos. No início de agosto, a liberação dos imunizantes já estava sendo feita em menos de 20 minutos. Esse tempo é contado entre a abertura da porta de carga da aeronave que traz as vacinas e o fechamento da porta do caminhão que leva os imunizantes para fora do aeroporto.

Pelo procedimento comum, as mercadorias estrangeiras ingressam no Brasil pela via aérea, são descarregadas, armazenadas e ficam aguardando o importador registrar a Declaração de Importação (DI). Efetuado o registro, a declaração é selecionada para os canais de conferência aduaneira. Caso a DI não seja liberada no canal verde (sem conferência documental ou física), cabe ao importador apresentar os documentos de instrução da declaração para análise do auditor-fiscal da Receita Federal. Não havendo pendências, a DI é desembaraçada e fica disponível para entrega ao importador pelo depositário.

Já no procedimento de desembaraço sobre nuvens, antes mesmo da chegada da aeronave ao território nacional, a Receita Federal já realiza a análise e conferência documental da DI, efetua o gerenciamento de risco e, não encontrando pendências, determina sua liberação em canal verde. Quando a aeronave pousa no aeroporto, o auditor-fiscal responsável pelo procedimento apenas acompanha, mediante inspeção visual e sem interrupção do fluxo logístico, a correspondência entre as características da mercadoria que foi declarada com antecedência e a carga que efetivamente está desembarcando.

Para se beneficiar do despacho sobre nuvens, o importador deve registrar com antecedência sua declaração de importação (antes da chegada da aeronave ao País) e providenciar imediatamente a anexação eletrônica dos documentos que a instruem. Recebida a declaração e seus respectivos documentos, a equipe de gestão de riscos da Receita Federal realiza uma rigorosa conferência com vistas a apurar a eventual ocorrência de alguma irregularidade, verifica se o tipo de importação faz jus ao tratamento diferenciado previsto na norma e, finalmente, informa através do Siscomex o desembaraço da declaração.

Para finalizar o processo, o importador só precisa informar no sistema os dados da chegada da carga e providenciar a liberação com o fisco estadual e o depositário (esses dois últimos passos são necessários tanto no rito comum quanto no desembaraço sobre nuvens).

Alfândega de Guarulhos

No aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, a Receita Federal desembaraçou, até o último final de semana, cerca de 35,3 milhões de doses de vacinas e 48 mil litros de IFA.

A Alfândega da Receita Federal em Guarulhos também vem adotando ações para acelerar a liberação dos imunizantes. Uma portaria editada pela Unidade em março de 2020, por exemplo, autoriza o registro antecipado da Declaração de Importação para mercadorias de combate à pandemia. Dessa forma, os procedimentos alfandegários são iniciados antes mesmo da chegada das cargas ao aeroporto.

O importador faz a solicitação da licença de importação para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Assim que a licença é deferida, o importador faz o registro antecipado da Declaração de Importação. A partir do registro da DI, toda a documentação pode ser analisada pela Receita Federal. Rapidamente o avião com as vacinas prontas ou os insumos aterrissa no aeroporto, os procedimentos alfandegários restantes são agilizados para que a carga seja logo liberada. Esses procedimentos incluem quatro ações de diversos agentes envolvidos na importação: o avaliza da carga pela companhia aérea, que confirma o armazenamento; o visa da Receita Federal, que libera a carga para vinculação à uma Declaração de Importação; a vinculação, pelo importador, da carga a uma DI já previamente registrada; e as análises finais e o desembaraço da Receita Federal.

Fonte: https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/assuntos/noticias/2021/setembro/receita-federal-em-sp-ultrapassa-100-milhoes-de-doses-de-vacinas-contra-a-covid-19-desembaracadas

Postagens diárias e com tags , .

The original text of this page has been automatically translated into the English language through Google Translate and may contain agreement errors.

El texto original de esta página ha sido traducido automáticamente al idioma Inglés a través de Google Translate y puede contener errores acuerdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.